Para melhorar sua experiência, nós guardamos algumas informações de navegação, chamadas de Cookies. Para obter mais informações, consulte nosso Termo de Privacidade.

Basta uma ida ao supermercado ou comparar os preços dos encartes para perceber: está cada vez mais caro comprar alimentos e manter hábitos de consumo como antes. Carnes, vegetais, legumes, frutas, laticínios, bebidas… Todos os produtos básicos estão mais caros para o bolso do povo brasileiro.

Essa evolução nos valores tem sido percebida desde abril de 2020, principalmente por conta de todas as consequências da pandemia de Covid-19 no Brasil e no mundo.

A alta nos preços de alimentos e bebidas subiu de 0,60% em julho deste ano para 1,39% em agosto, indicando a tendência de que os preços subam ainda mais até o final do ano.

Com alimentos básicos como arroz, carne, ovos e leite atingindo valores altíssimos e o desemprego afetando diversos setores econômicos, milhares de famílias brasileiras não conseguem mais comprar o que é necessário para suas refeições diárias.

Dessa forma, os cidadãos passam a depender de doações de ONGs e do governo para comerem, o que aumenta cada vez mais a insegurança alimentar brasileira.

imagemOs preços dos alimentos e bebidas, que já estavam mais altos que o normal, cresceram em 1,39% em agosto de 2021.

Como o clima afeta os valores

Outro fator importante que influencia os preços são as alterações climáticas, principalmente por conta de suas consequências no agronegócio.

Somente em 2021, o Brasil e o mundo já sentiram diversas oscilações no clima que provocam complicações imediatas e a longo prazo para diversos setores da economia.

Em agosto, o Furacão Ida atingiu a costa dos Estados Unidos e deixou a região de Nova Orleans sem energia elétrica por mais de um dia, após os ventos de 240 km/h atingirem um importante porto petrolífero. Além disso, os territórios atingidos tiveram resultados catastróficos por causa dos ventos e das inundações provocadas pela forte chuva.

Por mais que esse fenômeno tenha ocorrido nos Estados Unidos e não no Brasil, as consequências serão sentidas em todos os locais que importam ou exportam produtos para o país.

Em julho, o Brasil enfrentou uma forte onda de frio polar que desestabilizou todo o clima tropical do país durante uma semana. Por conta dessa massa de ar polar, muitas regiões do Sul, Sudeste e Centro-Oeste enfrentaram níveis de umidade baixíssimos, geada e neve que destruíram diversas plantações e que, consequentemente, afetam diretamente o valor dos alimentos e a disponibilidade dos mesmos.

Além de furacões, neve, geada e enchentes, o agronegócio também sofre com o aumento de queimadas e incêndios nas plantações por conta do clima extremamente seco em diversas regiões.

imagemÉ preciso ter muita organização financeira para lidar bem com a alta nos preços dos alimentos em 2021.

Outros fatores que afetam a precificação de produtos

  1. Inflação: Essa é uma das taxas que mais afetam o bolso dos cidadãos, pois ela representa o aumento dos preços em bens e serviços. Com a inflação em alta, os valores de produtos e serviços são afetados.

  2. Gasolina: Com o aumento de 2,80% no preço da gasolina, os valores das mercadorias também sofreram alterações. Pode parecer que o combustível não possui nenhuma ligação com os alimentos, porém os meios de transporte utilizados para levar os produtos de um lugar ao outro são veículos que utilizam gasolina. Por isso, o aumento do valor dela eleva o custo da comida.

  3. Importações e exportações: O agronegócio, assim como outros setores da economia brasileira, vivem de importar e exportar, sejam maquinários, alimentos ou insumos. Com isso, se essas negociações estiverem em níveis muito altos ou baixos, isso irá refletir na precificação dos produtos no Brasil.

  4. Cotação do dólar: Já não é novidade que o dólar afeta a economia de diversos países, provocando grande aumento nos valores quando a cotação da moeda está em níveis altos, como agora em que ela oscila em valores acima de R$5.

  5. Oferta e procura: Esta é uma lei mundial do comércio e é bem simples, porém provoca grandes oscilações nos valores dos produtos. Quando determinada mercadoria está com alta procura, seu valor sobe. É o que ocorreu recentemente no Brasil com o aumento do preço dos ovos, após a grande procura por eles por conta do preço da carne ter subido 18% em 2020.

  6. Preços dos insumos agrícolas: Para produzir, é preciso ter insumos. E com os insumos tendo aumento no preço, sejam eles nacionais ou importados, fica ainda mais caro produzir. Como consequência, os produtores precisam repassar esse custo para a venda de seus produtos, o que provoca o aumento no preço para os consumidores.

Conteúdos relacionados